terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

MATURIDADE

Ainda permaneço, ainda...
Conservo recordações,
velhos sonhos...
E algumas dores que já não acontecem.

Faço-me tempo consumado,
inconsciência que ergue muros,
indiferenças conclusivas.

Neste momento,
contraio-me bem fugaz:
no silêncio da omissão,
já há um organismo em execução.

Um comentário:

Nydia Bonetti disse...

A maturidade nos faz ver "coisas" que não víamos quando mais jovens. A vida vista com outros olhos. Ah, os olhos... Sempre os olhos. :)

Beijo!